Doula – ciência e sensibilidade

por Carla Weyne, psicóloga e doula da equipe Mãe do Corpo

A Doula é uma profissional que acompanha a gestação, o parto e o pós-parto, oferecendo à gestante (e sua família) apoio físico e emocional. Ao longo da história da humanidade, as mulheres espontaneamente passaram a apoiar umas às outras no momento do parto e pós-parto. Era uma tarefa realizada por irmãs, vizinhas, amigas, comadres… Não havia uma qualificação específica pra isso, e essa função não se constituia como uma profissão, mas como uma atividade social presente nas comunidades.

Porém, com a medicalização da assistência ao parto, a partir da qual o cenário predominante do parto passou a ser o hospital, os médicos substituindo as parteiras, e a técnica e a tecnologia passando a direcionar a atenção à parturiente, criou-se uma lacuna. E a falta de alguém que pudesse oferecer o suporte emocional à gestante passou a ser percebida inclusive como um obstáculo a um bom andamento do trabalho de parto e a uma experiência de parto satisfatória para a mãe.


Pesquisas¹ já foram realizadas e seus resultados mostram que a presença da doula como acompanhante de parto tem como resultados: a diminuição da duração do trabalho de parto; maior chance de ter parto vaginal espontâneo; menor necessidade de analgesia de parto; redução da taxa de cesariana, uso de ocitocina sintética e de instrumentos como o fórceps; maior a satisfação da mulher com a sua experiência de parto; e redução dos níveis de ansiedade e maior a sensação de segurança e autoconfiança nas mulheres.

O trabalho da doula se desenvolve em grupos de preparação para o parto, no acompanhamento ao trabalho de parto em si, tanto em casa como no hospital, e também através de visitas domiciliares. As doulas podem acompanhar uma mulher que contratou o seu serviço de forma particular ou trabalhar em hospitais, públicos ou privados, geralmente em regime de escala de plantões, atendendo as parturientes que chegarem ao hospital durante seu plantão. Mas aqui em Fortaleza, predomina o modelo de serviço particular, uma vez que a maioria das instituições não reconhece ainda o valor do trabalho da doula.

O trabalho da doula se inicia ainda durante a gestação, quando ela pode colaborar com orientações baseadas em evidências científicas sobre os processos do parto e pós-parto, tirando dúvidas da gestante, ajudando a lidar com algumas inseguranças e também dando orientações sobre as condições da assistência ao parto em sua realidade, inclusive contribuindo com a elaboração do seu plano de parto, que é um documento que descreve o que a mulher deseja em relação à assistência ao seu parto. A doula pode realizar um belo trabalho, individual ou em grupo, de preparação física e emocional para o parto e o pós-parto, além de oferecer orientações sobre amamentação e cuidados com o bebê, serviço que tem um importante caráter preventivo das dificuldades que podem surgir no período pós-parto.

Durante o trabalho de parto, a doula acompanha a mulher desde o momento em que ela sentir necessidade, podendo ir à sua casa e permanecer com ela também no hospital, se for o caso de um parto hospitalar. Em nossa concepção, o trabalho da doula se inicia com o favorecimento à criação de um ambiente e uma atmosfera de segurança, privacidade e entrega. A partir daí, a doula oferece o encorajamento psicológico e suporte físico à gestante. Em sintonia com as necessidades e possibilidades de cada mulher, a doula pode sugerir posturas e movimentos para favorecer o trabalho de parto e usar métodos não farmacológicos para o alívio da dor, como banhos, compressas, massagens e outras técnicas de terapias holísticas para as quais possua formação específica (acupuntura, cromoterapia, yoga, fitoterapia etc). Outra contribuição importante da doula se dá no momento imediatamente posterior ao nascimento (se possível toda a primeira hora), facilitando os primeiros contatos entre mãe e bebê e apoiando também o início da amamentação.

No pós-parto, o trabalho da doula também é muito importante, pois é um período de muitas transformações para a mulher que se tornou mãe (ou que se tornou mãe pela segunda, terceira… vez) e para sua família também. Então a presença da doula, oferecendo apoio, auxiliando com o processo de amamentação, que apresenta vários desafios nesse início, e compartilhando também a experiência que adquiriu sobre a maternidade, contribuem para deixar a mulher mais tranquila e fortalecida. Nesse momento, a doula oferece apoio físico e emocional à amamentação, com orientações sobre uma pega mais favorável, a descida do leite, prevenção de fissuras, bem como fortalecimento da sua auto-confiança para amamentar. Oferece também apoio aos cuidados com o bebê, com orientações sobre banho, sono, prevenção de “cólicas”, bem como para o fortalecimento do vínculo mãe-bebê e formas respeitosas de cuidar do seu filho. A doula proporciona ainda orientações sobre a recuperação da mãe no pós-parto, seja após um parto vaginal ou cesárea.

Hoje a profissão de doula já é reconhecida no Brasil e consta no catálogo de ocupações do Ministério do Trabalho. A atuação da doula está pautada nas evidências científicas em obstetrícia; em uma valiosa parceria com os outros profissionais de assistência ao parto; no conhecimento dos processos fisiológicos e culturais relacionados à gestação, parto, pós-parto e amamentação; e especialmente em uma sensibilidade cultivada ativamente e um compromisso ético primordial com a autonomia e o protagonismo da mulher (e sua família) na vivência de seu ciclo gravídico puerperal.

A formação da doula acontece através de um curso específico, mas se completa de fato através da sua experiência, tanto da sua vivência pessoal de gestação e nascimento dos seus filhos (mas uma doula não necessariamente precisa ser mãe) quanto no acompanhamento de outras mulheres. Aqui em Fortaleza já tivemos cursos de formação de doulas e a Mãe do Corpo realizou um em 2013. O curso oferecido pela Mãe do Corpo tem 50 horas de duração e inclui um estágio de 6 horas em um hospital público, além da participação de profissionais de referência em seu corpo docente.

Por percebermos o acompanhamento à gestação, parto e pós-parto como um processo complexo, que precisa envolver a prática de vários profissionais, optamos por oferecer um Serviço diferenciado, que abrange encontros em grupo e individuais, acompanhamento pela doula e avaliação de enfermeira obstetra. Saiba mais clicando em Acompanhamento perinatal.

Deixe uma resposta